Os desperdícios de produção

Um dos problemas sérios que acontecem na produção e consequentemente quem trabalha na qualidade tem muita, mas muita dor de cabeça são os desperdícios.

A falta de preparo e em alguns casos a falta de vontade dos líderes na resolução dos problemas alavancam estes índices em valores insustentáveis.

Quantos inspetores de qualidade, gerentes da qualidade... etc já ouviram relatos dos colaboradores do gemba dizer - "Já alertamos nosso superior para o problema, mas ele disser vai tocando assim..." - E aí, lembraram de algo assim já presenciado? É comum, não é.

Mas problemas comuns à parte, até mesmo porque em muitas empresas infelizmente é mais fácil se administrar com a submissão e omissão das pessoas, assim não encontram barreiras impondo o que querem independente de estarem certos.

Estarei colocando abaixo alguns tipos de circunstâncias que ocasionam os desperdícios.

Esta é uma matéria que faz tempo que li e fiz uma pesquisa na internet e encontrei muitas fontes, dentre as quais o site Gemba.com e mostra as situações e também as medidas que podemos tomar para evitar estes desperdícios.

Os 7 Tipos de Desperdícios da Produção

"Taiichi Ohno definiu os 7 tipos de desperdícios como todas aquelas atividades que adicionam custo mas não agregam valor. Numa Empresa Lean, estes 7 tipos de “Muda” são objetos de uma perseguição sem fim pela eliminação dos desperdícios. Aprender a enxergar o “Muda” a sua volta, é a chave para começar a sua jornada de transformação da sua organização em uma Lean Enterprise."

Taiichi Ohno é considerado o criador do Sistema Toyota de Produção e o pai do Sistema Kanban.

Nos anos 40, Ohno foi diretor da Toyota e durante esse período a empresa estava à beira da falência e, por isso, não poderia fazer novos investimentos em equipamentos e novas invenções. Foi quando, nos anos 50, houve o início de uma longa colaboração entre Ohno, Shigeo Shingo, consultor de qualidade da Toyota, e Edward Deming, principal responsável da chegada ao Japão do Controle de Processo Estatístico, para criar um sistema de estratégia de manufatura que fizesse a empresa obter lucro e sustentabilidade para atingir o crescimento. Assim, Ohno desenvolveu o Sistema Toyota de Produção (Just in Time), o qual foi baseado em duas concepções: a primeira foi o sistema fundamental de produção publicado em 1926 por Henry Ford no livro “Today and Tomorrow” e a segunda foi a maneira de operação utilizada pelos supermercados dos Estados Unidos, observada por ele mesmo em uma visita feita em 1956 (os supermercados recolocavam mercadorias nas prateleiras a partir do momento em que elas eram vendidas).